Encefalopatia Associada ao Uso de Metronidazol

10.1056-NEJMicm1505174Figure01.pptCaso clínico e imagem publicados na NEJM de 16.04.2016

Um homem de 58 anos de idade, com cirrose criptogênica foi admitido na unidade de cuidados intensivos com a confusão após uma queda em casa. Ele estava tomando um curso prolongado de metronidazol (500 mg três vezes por dia durante> 3 semanas) para a infecção por Clostridium difficile. Poucos dias antes de sua hospitalização, disartria, evoluiu com instabilidade da marcha o que contribuiu para a queda. A ressonância magnética (RM) do cérebro mostraram um sinal simétrico, nos núcleos dentados do cerebelo (Painel A, seta), um achado que é consistente com encefalopatia associada ao uso de metronidazol .

Na admissão, o paciente foi entubado para proteção das vias aéreas e estava sedado; apresentou bacteremia referente ao cateter venoso central pouco tempo depois. Descontinuação do metronidazol resultou na resolução dos achados de imagem 1 mês depois (Painel B). A avaliação neurológica foi difícil, e o paciente nunca recuperou seu estado mental de base.

Encefalopatia associada ao uso de metronidazole é um efeito secundário pouco frequente. Ele normalmente se manifesta como disartria e instabilidade da marcha. Os fatores de risco incluem disfunção hepática e um curso prolongado de metronidazol (dose típica cumulativo> 20 g). RMN do cérebro é o exame diagnóstico e tipicamente revela uma simétrica, sinal reforçado nos núcleos dentados do cerebelo. Durante o curso da internação, o paciente morreu de complicações devido a bacteremia relacionada ao cateter

FacebookTwitterGoogle+