Leptospirose.


Conclusão do último caso clínico.  Atenção para os sinais! do dia 4.10.2013.

Esse paciente logo na entrada no hospital já apresentava sinais de gravidade, hipotensão, queda da saturação, taquicardia além da oligúria e sonolência. Foi  transferido para unidade e cuidados intensivos com diagnóstico de sepse.

Pensando em sepse, esse paciente estaria com choque séptico com disfunções orgânicas graves ( renal, hepatocelular, cardiovascular, respiratória e neurológica). Logo algumas medidas são necessárias e de forma urgente, como ressuscitação volêmica,  suporte ventilatório, antibiótico. Após essas medidas iniciais, vamos pensar no diagnóstico diferencial e tentar chegar ao diagnóstico etiológico.

A história de etilismo, pode ser levantada a suspeita de hepatite alcoolica aguda( como foi citado nos comentários) levando a  insuficiência hepática, encefalopatia, disfunção renal. Isto pode ocorrer na hepatite alccoólica. Além da hepatite alcoólica poderíamos pensar também em outras causas de hepatite, principlamente naquelas com maior probabilidade de evoluir  para hepatite fulmimante, como hepatites virais ou medicamentosa.

Mas o  dado epidemiológico de contato com água de chuva e o quadro clínico compatível fez com que fosse pensado e solicitado sorologia para leptospirose. O que foi confirmado com a sorologia para leptospirose IgM reagente.  Outros exames alterados:

  • amilase 694; lipase 1328;
  • bilirrubinas 15, Bilirrubinas direta 12;
  • uréia 194; creatinina 6,7; eletrólitos normais.
  • sorologias para hepatite  negativas.
  • Hemograma normal.

Síndrome de Weil, leptospirose na sua forma mais grave.  Esse foi o diagnóstico final deste paciente que após as medidas iniciais de suporte em unidade de terapia intensiva,  recebeu alta hospitalar.

A leptospirose tem variadas formas clínicas, vai desde uma doença febril aguda leve que muitas vezes nem chega ao médico até esta forma grave com manifestações por vezes fatais como a hemorragia pulmonar. A síndrome de Weil é composta de icterícia , insuficiência renal e hemorragias.

Nos primeiros 3 a 7 dias da doença os sintomas são inespecíficos com febre alta, mialgias, cefaléias, nauseas, vômitos, diarréia e dor abdominal. A dor a palpação muscular chama atenção, principlamante nas panturrilha e também em região lombar.Uma minoria progride para a forma grave.

A sufusão conjuntival é um sinal muito característico de  leptospirose, caracterizada por hiperemia dos vasos conjuntivais( este paciente não apresentava)

Um sinal de gravidade apresentado por nosso paciente é a alteração da amilase e lipase, o que caracteriza um comprometimento pancreático.Sinal de fase avançada da doença.

FacebookTwitterGoogle+