Anemias- Parte I.

Avaliação de anemia no idoso.

Falaremos um pouco de anemia ferropriva e anemia da doença crônica.

Anemia é um problema em todo o mundo  e a definição sofre influência das regiões geográficas e características étnicas da população. A definição da organização Mundial da Saúde : Hb <12 em mulheres e Hb <14 em homens.A incidência também varia muito, sendo que na população > de 85 anos está entre 10% a 14% e entre65 e 69 anos 6% em homens e 4% em mulheres.Vários estudos demostram que a anemia é um fator independente de aumento da morbi-mortalidade. Tem sido associado a limitação funcional, declínio cognitivo, sintomas depressivos e redução na qualidade de vida.

Mecanismos fisiopalógicos de anemia no idoso:

  • Hipogonadismo
  • Alterações da eritropoiese e das células progenitoras
  • Redução da função renal com a idade
  • Presença de mielodisplasia incipiente

ANEMIA NÃO É UM DIAGNÓSTICO.

Temos sempre que procurar a causa da anemia, embora nem sempre é possível, em até 30% dos pacientes a causa não é estabelecida.

ANEMIA FERROPRIVA é uma causa muito prevalente nesta faixa etária > 60 anos.

O que caracteriza esse subtipo de anemia é a microcitose, hipocromia com ferritina baixa. Porém essas alterações podem não está presentenos em  estágios iniciais ou podem coexistir outras condições. A ferritina sérica é mais frequentemente usada para diagnóstico de ferropenia;  muito útil quando encontramos um valor baixo, pois indica realmente deficiência de ferro, porém ela normal, não afastar  a deficiência de ferro. A ferritina  sofre influências de condições inflamatórias  e até mesmo  de neoplasias. Com o diagnóstico de deficiência de ferro, temos que ir em busca da causa.Em um população adulta de países industrializados é muito raro a ferropenia por falta de ingesta; logo a perda é a principal causa.

Temos sempre que investigar sangramentos; mesmo sem o paciente referir.O trato gastrointestinal é o primeiro a ser visualizado com endoscopia digestiva alta(EDA) e colonoscopia. Vejo que alguns ainda pedem SANGUE OCULTO NAS FEZES .Este exame deveria deixar de existir para não atrapalhar nem atrasar a investigação. NÃO SERVE!

A EDA e colonoscopia consegue demostrar o local do sangramento em mais de 50% das vezes. O exame com cápsula endoscópica veio para resolver esse problema, investigação do duodeno e sangramento oculto.

Lembrar que pode haver deficiência de ferro sem anemia e mesmo assim sangramento deve ser investigado. E pode haver neoplasia do TGI sem anemia.

ANEMIA DE DOENÇA CRÔNICA.

É a segunda causa de anemia.Há alguns mecanismos fisiotatológicos propostos para explicar a queda de hemoglobina nas doenças crônicas:

  • Mediado por citocinas inflamatórias
  • Diminuição da produção de eritropoetina
  • Menor meia vida dos glóbulos vermelhos
  • Eritropoiese ineficaz
  • Infiltração da medula óssea por celulas tumorais, vírus, etc.
Um mecanismo muito importante nesta anemia é a desregulação da homeostase do metabolismo do ferro.
Principais doenças crônicas que cursam com anemia
  • Doença renal
  • Doença inflamatória intestinal
  • Artrite reumatóide
  • lupus eritematoso sistêmico
  • Tumores sólidos
  • HIV
  • Sarcoidose
  • Vascilites
  • E qualquer processo inflamatório crônico

SUGESTÃO DE LEITURA:

Anemia in Older Persons

Unexplained Anemia in the Elderly

Unexplained anaemia in older persons is characterised by low erythropoietin and low levels of pro-inflammatory markers

Prevalence, incidence and types of mild anemia in the elderly- the “Health and Anemia” population-based study

 

Próximo post será Anemias -Parte II.

 

 

 

 

 

 

FacebookTwitterGoogle+