Líquido Ascítico

Untitled

 

História Clínica  e  Exame Físico.

Paciente refere que há seis meses, iniciou quadro de aumento da circunferência abdominal, sensação de empachamento pós-prandial, hiporexia e vômitos pós-prandiais. Associado ao quadro, cursou com astenia, hiporexia e perda ponderal de 20 kg em 6 meses. Refere também  leve  dispnéia.

Sinais Vitais: FC: 92 bpm, FR: 30 ipm , PA: 110X80, T°C: 35,5°C

Geral: Paciente anictérica, descorada (+/4).Emagrecida, apresentando diminuição de tecido celular subcutâneo e hipotrofia muscular.

AR: MV reduzido em base de HTD, sem ruídos adventícios.

ACV: BNF, RCR em 2T, sem sopros.

Abdome: Globoso as custas de líquido ascítico (Ascite Grau III), distendido. Submacicez à percussão. Dor difusa, leve, à palpação. Palpação profunda prejudicada pela ascite. RHA presentes.

Extremidades: Bem perfundidas. Presença de edema (+/4) em ambos os MMII.

Realizada paracentese  diagnóstica e para alívio dos sintomas.

Aspecto do líquido ascítico  na imagem acima.

Quais as possíveis causas desta ascite?

 

ASCITE QUILOSA

Ascite quilosa é uma forma rara de ascite causada geralmente por obstrução ou ruptura dos gânglios linfáticos peritoneal ou retroperitoneal, definido como o acúmulo de quilo na cavidade peritoneal, o fluido peritoneal fica com uma aparência leitosa, rica em triglicérides e geralmente associada a um mau prognóstico uma vez que muitas vezes é secundária a neoplasias.

Trauma, e, principalmente lesão cirúrgica é a segunda causa. Outras causas mais raras são defeitos congênitos do sistema linfático, infecção peritoneal por tuberculose e filariose, cirrose hepática

É uma doença difícil, devido à grave consequências mecânicas, nutricionais e imunológicas.

Embora a incidência de ascite quiloso aumentou em

últimos anos, devido a maior sobrevida de pacientes com câncer, o tratamento continua a ser insatisfatório em alguns casos por causa da duração prolongada da doença. O Tratamento conservador é recomendado na maioria dos pacientes com paracentese, nutrição parenteral total (TPN), e algumas vezes somatostatina usado recentemente

Análogos de somatostatina têm sido demonstrado ser eficaz na redução linforragia e pode ser proposta antes de considerar a abordagem cirúrgica.

 

 

Caso Clínico apresentado por  Marcos Aurélio MR1- Clínica Médica  do Hospital Geral Roberto Santos

FacebookTwitterGoogle+