Investigando…

 

Conclusão do caso clínico do post  Como prosseguir a investigação?

Para relembrarmos, vamos fazer uma lista de problemas relevantes deste caso clínico.

Homem , 26 anos com febre, com  diarreia líquida, fétida, passado de herpes zooster facial, etilista, tabagista, com hepatoesplenomegalia e pancitopenia.

1. As doenças infecciosas seriam a primeira  opção neste caso. E  dentre as infeções mais frequentes ainda estão as micobacteriosesEssa possibilidade deve ser sempre lembrada e investigada.

2.As outras opções diagnósticas seriam as doenças neoplásicas, hematológicas, como uma leucemia ou linfoma.

3.Outras doenças para explicar esse quadro, são menos prováveis como as doenças reumatológicas, auto-imunes.

Diante deste quadro, a primeira hipótese diagnóstica seria uma doença infecciosa de início subagudo em um paciente com provável imunodepressão(  passado de herpes) Portanto como foi comentado no último post, um primeiro exame  seria uma teste rápido para HIV.

 Foi pedido e  resultado – POSITIVO.

Com esse exames em mãos, vamos em busca de uma infecção oportunista, lembrando sempre que no paciente HIV positivo, podemos encontrar mais de uma.

As que mais poderiam explicar esse quadro:

1.Tuberculose disseminada, sem deixar de pensar  tanto no Mycobacterium tuberculosis quanto o Complexo Mycobacterium avium.

2. Histoplasmose Disseminada

3. Calazar. Ainda frequente no nosso meio e mais comum em HIV positivo.

Para doença infecciosa,  é necessário demostrar o agente. Isto é um dos  postulados de Koch: isolamento do patógeno: o patógeno deve ser isolado e crescido em meio de cultura, descrito  há mais de 200 anos.

Neste caso, um mielograma  ou uma mielocultura seria bastante útil. Podendo ajudar  no  diagnóstico  das 3 doenças  citadas.

O que foi feito neste caso:

•Radiografia de tórax: sem alterações
•Teste rápido para HIV: positivo
•K39: negativo
•Hemocultura ( 3 amostras): negativa
•Mielograma: Histoplasma capsulatum.

Aqui a revisão feita pela residente  Marília Sampaio que apresentou esse caso na sessão.

Aqui um caso clínico publicado na NEJM com o mesmo diagnóstico.

caso NEJM histoplasmose

FacebookTwitterGoogle+